O silencioso canto das aves migratórias

O silencioso canto das aves migratórias

domingo, 11 de dezembro de 2016

Mesmo que a minha ausência tenha sido motivo de vazio, de desencanto, nunca a tua ausência foi um sentimento de plenitude como o presente. 
Porque a lembrança é o melhor antídoto para a lucidez. 
São os dias que marcam a chegada e a partida que asseguram a lembrança e a continuidade da memória.

São Gonçalves.

Foto - Camilo Rego
O que fica depois da partida 
É tão só um corpo esperando 
A casa vazia 
No coração a nostalgia 
A esperança moribunda 
Rondando o espaço.

O que fica depois de ti
O odor da terra
O toque de nada !

São Gonçalves
A sensibilidade e a intuição não se aprende , não se explica, não se transmite. 
A sensibilidade e a intuição, são inatas, 
Interiorizam - se no silêncio das palavras, 
No saber olhar o mundo e os outros sem nada dizer. 
Olhado, sentindo ! 

São Gonçalves.
Suspenso no limiar indizível do horizonte, um murmúrio de luz, anúncio de um lugar 
Sem medos 
Sem o ensurdecedor escavar dos dias ! 

São Gonçalves 

Foto - Ludmila Mernková

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

Viver intensamente, não é só viver como se não houvesse amanhã, é também saber partir quando se tem de partir, não ter medo dos lugares vazios, não ter medo de deixar para trás o que amamos, e sobretudo o que já não nos diz nada. Aprendemos o desapego com os anos e as ausências, e isso às vezes magoa quem nada entende de vazios!

São Gonçalves
É tão grande o céu
Esta imensidão de azul
Espraiando-se na volatilidade do tempo.

É tão grande o sentimento 
que nunca se quebra
Na fragilidade de um chilrear sereno.

É tão grande o horizonte
Mar de sonhos e de vontades.

São Gonçalves.

Foto - António Mattozzi
Não sei se ainda me esperas nesse lado do oceano
O silêncio encostou -se vagarosamente no leito das águas.
Já não te oiço do outro lado da porta, os muros tornaram -se espessos e os meus braços já não tem força para te abraçar.

Mas eu ainda te sinto quando chegas devagar 
Ocupas as noites e os sonhos
Sussuras palavras de alento .

Deste lado, na margem sul do meu desassossego, contemplo o voo das aves, o marborizado crepúsculo primaveril , espero -te
e não ouso a travessia.

o vento beija -me o rosto
assinalando a tua presença.

São Gonçalves.

Foto -Alicia Haro.