O silencioso canto das aves migratórias

O silencioso canto das aves migratórias

terça-feira, 6 de agosto de 2019

Não é de inquietação as luz dos meus dias
esta claridade crescente na menina dos meus olhos 
este acordar devagar nas madrugadas 

despe-se em mim todas as sombras
gestos inúteis
com que tatuei os silêncios

o livro que agora escrevo é uma metáfora de vida
o silêncio já não tem nome nem morada
e eu apenas clamo a semântica da liberdade

esquecidas as vozes cortantes de ironia
finjo que não sei o nome das coisas
e das palavras interditas

desatei todas as amarras
essa amálgama de silêncios incertos
e só por isso valeu a pena

o caminho das palavras
num grito libertador e poético.
O corpo pesado, longos sãos os caminhos que te podem levar ao verdadeiro sentimento de plenitude e serenidade...as memórias são por vezes um traço, ora negro, ora claro; o espírito revela -se, espraiando-se num planalto de luz e sombra. A exuberância do azul acalma os temores, os gestos em decadência. Contemplas a luz do sol, nessa manhã primaveril, sentes a vida a tomar um novo brilho, um novo sentido, porque é de luz que inundas os olhos cansados de tanta escuridão.

Na solidão do quarto procurava as palavras
A conjugação perfeita da sintaxe
Para dizer do seu mundo
Para aclarar sombras
Dissipar medos
A explicação primordial do seu caos interior!

Não inventava nada
Ali, tudo permanecia quieto e transparente
O que fora, o que perdera
O que amara e como amara
A solidão das cidades revisitadas, cinzentas e frias
A dor da não pertença, da sublime ausência!

A metáfora do poema desvendava-a ao mundo
Sem pudor, sem preconceito!
Quando maio chegou, tu eras a luz de uma nova estação a despontar!

O coração pleno de ti
De mim, de 
Nós! 

A primavera das nossas vidas a florir
No nossos corpos!
Na vontade de viver!

Quando o tempo da monção chegou
Não houve verão, nem outono
Nem canto de pássaros a alegrar os sentidos!

Já não houve festa, nem risos, nem abraços!

Apenas o teu e o meu,
O nosso silêncio a rondar os cantos da casa!
Cada um esconderá de si o que mais lhe convém!
No olhar, a nostalgia das madrugadas 
Sombras a refletir em espelhos de ansiedade.
O que trazes contigo nem sempre demonstras. O sorriso dos dias alegres. A dor de uma ausência!
A casa da infância inabitada!
Um sentimento a desabrochar no contornar dos dias.
A sintonia do silêncio no fumegar do café da manhã.
Ninguém saberá da tremura dos lábios , nem do desejo no brilho do olhar!
O teu mundo é uma casa de espelhos, reflexos de um Eu que apenas te pertence.
Véus semi transparentes
Raios cintilantes a riscar no coração e na simbologia das sombras!
Silenciosas as árvores abraçam-se na luz coada da manhã. 
Dão- se por inteiro, sem medo!
Almas distintas no ser e no querer,
Seiva, flor, fruto !
Energia divina a conferir ao mundo a lição da luz!
O céu cinzento não é um prenúncio de tempestade, nem a árvore despida a semiótica de frieza.
Morno o tempo, a brancura rósea das flores indicia o caminho do renascimento!
As madrugadas já não gelam o corpo e os sentidos.
Abre- se uma brecha de claridade!
Até hoje não sabia porquê a vida se repetia num movimento circular, voltando sempre ao lugar do vazio, do constante recomeço! 
Nada lhe fora dado sem esforço!
Mas o que custava mais era esse karma de nunca chegar a um porto seguro!
As palavras deturpadas, os gestos mal interpretados, o caminho sempre a fechar- se , o céu a escurecer, o corpo sem chão onde se equilibrar.
A realidade era por vezes excessiva!
Era de excessos que andava cansada!
De si, da vida, dos outros, da perda , do vazio!

Apesar dos desacertos, o conforto chegava nas palavras de algum amigo, num abraço inesperado, no aconchego da palavra esperança!
E era de esperança o olhar no meio da tempestade!